segunda-feira, julho 20, 2009

Quando o estatalismo chega ao futebol.




Já tinha ouvido falar várias vezes da separação entre a Igreja e o Estado. Mas confesso que é a primeira vez que oiço falar da separação entre o Desporto e a Igreja. Contudo, parece que a FIFA se prepara para proibir qualquer demonstração religiosa durante os jogos de futebol.

Tudo porque, segundo Jospeph Blater, presidente da FIFA, a oração que a selecção do Brasil fez em campo depois de ganhar a Taça das Confederações demorou demasiado tempo.

Confesso que ainda estou a tentar perceber como é que a FIFA se arroga o poder de limitar a liberdade religiosa e a liberdade de expressão de cada um. Sei que nos últimos anos, em favor do politicamente correcto, as federações nacionais e internacionais de futebol tem criado cada vez mais regulamentos para tornar o desporto rei num desporto "modelo". Contudo isto parece-me o cúmulo.

P.S.: Na noticia salva-se o Special One, que respondeu, quando o acusaram de superstição por beijar a cruz, "Não sou supersticioso, mas católico".

1 comentário:

zé hobbit disse...

é caso para dizer grande José Mourinho ;)