quinta-feira, janeiro 31, 2008

Canção de Embalar - Zeca Afonso



Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi
Se ela não vier de madrugada
Outra que eu souber será p'ra ti

Outra que eu souber na noite escura
Sobre o teu sorriso de encantar
Ouvirás cantando nas alturas
Trovas e cantigas de embalar

Trovas e cantigas muito belas
Afina a garganta meu cantor
Quando a luz se apaga nas janelas
Perde a estrela d'alva o seu fulgor

Perde a estrela d'alva pequenina
Se outra não vier para a render
Dorme qu'inda a noite é uma menina
Deixa-a vir também adormecer


Como diria o pai de uma amiga minha, o tipo era um "ganda" comunista, mas era mais muito mais bom cantor do que era comunista...

2 comentários:

o engenheiro disse...

Jos� Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, de seu nome, converteu-se pouco antes de morrer. C�rculos chegados � fam�lia sabem-no mas o peso pol�tico da sua pedra tumular tem impedido a divulga�o do facto.
Penso, no entanto, que divulgar (porque blogar � comunicar e comunicar � divulgar) as interpreta�es ou a poesia de Jos� Afonso � ocupar o tempo e o espa�o que poderia ser dedicado � divulga�o de muitos outros poetas, igualmente merecedores do reconhecimento p�blico mas que os esbirros do orwelliano Minist�rio da Verdade h� muito postergaram para o deserto do Oblivion. �, de forma involunt�ria e ing�nua, colaborar com o advers�rio que h� muito nos persegue e espezinha. O ecletismo cultural e a largueza de esp�rito est�tico devem ser usados preferencialmente na aprecia�o pessoal, como contributos serenos para uma s�lida forma�o e nunca numa farisaica demonstra�o p�blica de abertura Kultural t�o ao gosto dos pol�ticos aggiornati.
Saluti a tutti

ZMD disse...

Existiram de facto músicos, poetas, escritores, artistas melhores que Zeca Afonso, para além de grande homens da história, que, pelas razões apontadas pelo engenheiro, são menos conhecidos.

Tentamos também destacar esse e da-los a conhecer, tentanto desmistificar a imagem e que a cultura é de esquerda, a ciência dos ateus ou o génio dos iluministas.

Contudo, não nos detemos perante a ideologia. O critério não é ideológico, mas antes, o do encontro com uma beleza e uma verdae que vale a pena partilhar, mesmo que venha de um quadrante ideológico com que não nos indentificamos.

A nós o que nos interessa é testemunhar a Beleza e a Verdade de Cristo, que perpassa por toda a humanidade, até a dos aggiornati.